Capela São Vicente, Mártir

Mais
5 meses 3 semanas atrás #353 por osvaldo (osvaldo)
DIOCESE DO MANSO
PALÁCIO EPISCOPAL SENHORA SANTANA

Decreto Episcopal que erige oratórios públicos

registrado sob a Cúria Diocesana sob o número 05 de 2020,

Na Solenidade da Santíssima Trindade; Na memória de São Colmano, bispo e abade; dos santos mártires Pedro, presbítero, Valabonso, diácono, Sabiniano, Vistremundo, Habêncio e Jeremias, monges; São Roberto, abade, da Ordem Cisterciense; da Beata Ana de São Bartolomeu, virgem da Ordem da Carmelitas Descalças; do passamento de Santo António Maria Gianélli, bispo de Bóbbio; da Beata Maria Teresa de Soubiran La Louvière, virgem;

A todos os que este nosso decreto virem, saudação, bênção e paz no Senhor.
sob o selo do

Arquivo Anexo:

Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor
OSVALDO DE SAXE-COBURGO-GOTHA,
pela graça de Deus e do Sacro Colégio Cardinalício
Arcebispo-Bispo do Manso.

Osvaldo, indigno servo de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Sua Majestade o Rei de Bauru e São Vicente e a Sua Excelência o Governador da Guanabara

Caríssimos e amados filhos, a Igreja que está no Manso continua a dar frutos abundantes o que nos exigem um maior esforço para atender o povo de Deus. Assim, diante da necessidade de um melhor atendimento pastoral de nossa diocese, e de forma especial dos fieis que se encontram no Reino Unido de Bauru e São Vicente e no Estado Livre da Guanabara, decidimos:

CÂNONE PRIMEIRO

Erigir como oratório público a Capela São Sebastião da Guanabara para o atendimento dos fieis do Estado Livre da Guanabara confiada à cura da Paróquia São Francisco e São Benedito do Manso.

CÂNONE SEGUNDO

Erigir como oratório público a Capela São Vicente, mártir para o atendimento dos fieis do Reino Unido de Bauru e São Vicente colocando-a sob a cura da Paróquia São Francisco e São Benedito do Manso.

Dado e passado neste Distrito de Santana no Reino do Manso, aos sete dias do mês de junho do duomilésimo vigésimo ano da Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo,

+ Osvaldo de Saxe C. Gotha
Arcebispo-Bispo do Manso

Frei Bernardo Hierosolimita, OSB
Chanceler da Cúria

Por favor Acessar ou Registrar para participar da conversa.

Mais
5 meses 3 semanas atrás #354 por osvaldo (osvaldo)

Diocese do Manso
Capela São Vicente, Mártir

Solene Ação Litúrgica na Solenidade da Santíssima Trindade

Presidida por Sua Excelência Reverendíssima o Bispo do Manso

O senhor bispo entra enquanto se canta.



D. Osvaldo: In nómine Patris, et Fílii, et Spíritus Sancti.
Todos: Amen.

D. Osvaldo: Pax vobis.
Todos: Et cum spíritu tuo.

D. Osvaldo: Fratres, agnoscámus peccáta nostra, ut apti simus ad sacra mystéria celebránda.

Todos: Confíteor Deo omnipoténti et vobis, fratres, quia peccávi nimis cogitatióne, verbo, ópere et omissióne: mea culpa, mea culpa, mea máxima culpa.Ideo precor beátam Maríam semper Vírginem, omnes Angelos et Sanctos, et vos, fratres, oráre pro me ad Dóminum Deum nostrum.

D. Osvaldo: Misereátur nostri omnípotens Deus et, dimíssis peccátis nostris, perdúcat nos ad vitam ætérnam.
Todos: Amen.



D. Osvaldo: ORÉMUS. Deus Pater, qui, Verbum veritátis et Spíritum sanctificatiónis mittens in mundum, admirábile mystérium tuum homínibus declarásti, da nobis, in confessióne veræ fídei, ætérnæ glóriam Trinitátis agnóscere, et Unitátem adoráre in poténtia maiestátis. Per Dóminum nostrum Iesum Christum, Fílium tuum, qui tecum vivit et regnat in unitáte Spíritus Sancti, Deus, per ómnia sæcula sæculórum.
Todos: Amen.

Leitura do Livro do Êxodo:
Naqueles dias: Moisés levantou-se, quando ainda era noite, e subiu ao monte Sinai, como o Senhor lhe havia mandado, levando consigo as duas tábuas de pedra. O Senhor desceu na nuvem e permaneceu com Moisés, e este invocou o nome do Senhor. Enquanto o Senhor passava diante dele, Moisés gritou: “Senhor, Senhor! Deus misericordioso e clemente, paciente, rico em bondade e fiel”. Imediatamente, Moisés curvou-se até o chão e, prostrado por terra, disse: “Senhor, se é verdade que gozo de teu favor, peço-te, caminha conosco; embora este seja um povo de cabeça dura, perdoa nossas culpas e nossos pecados e acolhe-nos como propriedade tua”.

Palavra do Senhor.
Todos: Graças a Deus.

Gradual (Dn 3, 55-56):



Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios:

Irmãos: Alegrai-vos, trabalhai no vosso aperfeiçoamento, encorajai-vos, cultivai a concórdia, vivei em paz, e o Deus do amor e da paz estará convosco. Saudai-vos uns aos outros com o beijo santo. Todos os santos vos saúdam. A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós.

Palavra do Senhor.
Todos: Graças a Deus.

Evangelho



D. Osvaldo: Léctio sancti Evangélii secúndum Ioánnem.
Todos: Gloria tibi, Domine.

Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê, não é condenado, mas quem não crê, já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito.

Verbum Domini.
Todos: Laus tibi, Christi.

Homilia

Majestade,
Queridos irmãos e irmãs de Bauru e São Vicente,

A celebração a santíssima trindade nos convida a contemplarmos o mistério de Deus mesmo. A este respeito, nos adverte Santo Hilário de Poitier que do mistério de Deus nada se deveria dizer, senão para negar os erros daqueles que ousam reduzir tão sublime mistério. A teologia negativa da escolástica foi fiel a este ideal se contentando em afirmar sobre Deus aquilo que ele não é. Enfim, quem poderia pretender definir Deus? Poderíamos restringir Deus a nossas categorias?

Caminha conosco … este pedido de Moisés talvez seja a definição mais próxima que se possa dar ao Deus de Jesus. Deus que se revela ao homem e se faz próximo dele. Enfim só podemos contemplar da Trindade Santa aquilo que ela nos deu a conhecer em Jesus Cristo, Verbo Encarnado.
Assim como o povo de Israel conheceu o Deus Vivo e Verdadeira através da revelação sinaítica, cuja narrativa acabamos de ouvir na primeira leitura, o povo cristão só conhece Deus através do Filho Bem Amado.

Em Jesus Cristo, Deus nos mostrou o rosto misericordioso do Pai que quer salvar e não condenar o mundo. João mergulha profunda no mistério de Deus para dizer que “Deus tanto amou o mundo” e vai além, busca no amor “agapé” a própria definição de Deus. Deus é amor! Somente o amor, a doação total é capaz de exprimir aquilo que Deus é na sua natureza mais íntima.

Dizer que “Deus é amor” não tem nada de simplório! É por isso que o Aquinate preferirá definir as pessoas da Trindade não em termo de substância subsistente, como os padres, mas como relação subsistente, ou seja, as pessoas divinas se identificam pela sua forma de relacionar-se e não pela sua substância – que sendo comum e divina é capaz de distinguí-las. O Pai gera constantemente o Filho – dá de sua própria existência ao Filho – e o Filho entrega todo o seu ser ao Pai, tudo aquilo que ele é e que veio do Pai, para o Pai ele devolve. O Espírito procede, é enviado do Pai e do Filho. Somente o amor, a entrega total é capaz de definir a Trindade na sua imanência.

Falar da Trindade pode parecer abstrato e desconectado da realidade do homem, mas não é. Paulo revela os efeitos práticos da presença de Deus na vida da comunidade cristã: amor, concórdia e paz. Sim, a Trindade antes de tudo é uma relação plenamente amorosa e harmoniosa. O Pai ama o Filho e o Filho ama o Pai e é para esta perfeita comunhão que caminha a nossa existência: a vida na Trindade. Um dia viveremos este amor e esta harmonia na Trindade.

Enfim, na Trindade encontramos o modelo da sociedade perfeita. Três pessoas distintas formam um único ser. Não há submissão ou dominação, mas entrega mútua e perfeita. Na Trindade encontramos a unidade construída não na homogeneidade que esmaga o outro e impede o outro de ser (diferente) mas a unidade que ama e acolhe o outro, permitindo-o de ser (diferente), enfim, dando-lhe existência.

Que nossa sociedade macro ou micro possa se espelhar na Trindade. Que contemplando o mistério de Deus possamos nos deixar transformar. Que nossas relações não esmaguem, não destruam, mas levem o outro a existir, não do nosso modo, mas ao seu modo próprio. Que a Trindade Santa nos leve a plena comunhão.

Paz e Bem a todos!

D. Osvaldo: Credo in unum Deum,
Todos: Patrem omnipoténtem, factórem caeli et terrae, visibílium ómnium et invisibílium.
Et in unum Dóminum Iesum Christum,
Fílium Dei Unigénitum,
et ex Patre natum ante ómnia saecula.
Deum de Deo, lumen de lúmine,
Deum verum de Deo vero,
génitum, non factum, consubstantiálem Patri:
per quem ómnia facta sunt.
Qui propter nos hómines
et propter nostram salútem
descéndit de caelis. Et incarnátus est de Spíritu Sancto ex María Vírgine,
et homo factus est.
Crucifíxus étiam pro nobis sub Póntio Piláto;
passus et sepúltus est,
et resurréxit tértia die, secúndum Scriptúras,
et ascéndit in caelum,
sedet ad déxteram Patris.
Et íterum ventúrus est cum glória,
iudicáre vivos et mórtuos,
cuius regni non erit finis.
Et in Spíritum Sanctum, Dóminum et vivificántem:
qui ex Patre Filióque procédit.
Qui cum Patre et Fílio
simul adorátur et conglorificátur:
qui locútus est per prophétas.
Et unam, sanctam, cathólicam et apostólicam Ecclésiam.
Confíteor unum baptísma in remissiónem peccatórum.
Et exspécto resurrectiónem mortuórum,
et vitam ventúri saeculi.
Amen.


D. Osvaldo: Praeceptis salutáribus monti, et divina institutione formati audemus dicere:

Pater noster,
qui es in caelis:
sanctificétur nomen tuum;
advéniat regnum tuum;
fiat volúntas tua,
sicut in caelo, et in terra.
Panem nostrum cotidiánum da nobis hódie;
et dimítte nobis débita nostra,
sicut et nos dimíttimus debitóribus nostris;
et ne nos indúcas in tentatiónem;
sed líbera nos a malo.


D. Osvaldo: Dóminus nos benedícat, et ab omni malo deféndat, et ad vitam perdúcat ætérnam.
Todos: Amen.

D. Osvaldo: Ite, missa est.
Todos: Deo gratias.

O corpo celebrativo se dirige a sacristia enquanto se entoa o Salve Regina.

Por favor Acessar ou Registrar para participar da conversa.

Mais
5 meses 1 semana atrás - 5 meses 1 semana atrás #355 por osvaldo (osvaldo)

Diocese do Manso
Capela São Vicente, Mártir

Solene Ação Litúrgica na Solenidade do Sagrado Coração de Jesus

Presidida por Sua Excelência Reverendíssima o Bispo do Manso

O senhor bispo entra enquanto se canta.


D. Osvaldo: In nómine Patris, et Fílii, et Spíritus Sancti.
Todos: Amen.

D. Osvaldo: Pax vobis.
Todos: Et cum spíritu tuo.

D. Osvaldo: Fratres, agnoscámus peccáta nostra, ut apti simus ad sacra mystéria celebránda.

Todos: Confíteor Deo omnipoténti et vobis, fratres, quia peccávi nimis cogitatióne, verbo, ópere et omissióne: mea culpa, mea culpa, mea máxima culpa.Ideo precor beátam Maríam semper Vírginem, omnes Angelos et Sanctos, et vos, fratres, oráre pro me ad Dóminum Deum nostrum.

D. Osvaldo: Misereátur nostri omnípotens Deus et, dimíssis peccátis nostris, perdúcat nos ad vitam ætérnam.
Todos: Amen.


D. Osvaldo: ORÉMUS. Deus, qui nobis in Corde Fílii tui, nostris vulneráto peccátis, infinítos dilectiónis thesáuros misericórditer largíri dignáris, concéde, quǽsumus, ut, illi devótum pietátis nostræ præstántes obséquium, dignæ quoque satisfactiónis exhibeámus offícium. Per Dóminum nostrum Iesum Christum, Fílium tuum, qui tecum vivit et regnat in unitáte Spíritus Sancti, Deus, per ómnia sæcula sæculórum.
Todos: Amen.

Leitura do Livro do Deuteronômio:

Moisés falou ao povo, dizendo: “Tu és um povo consagrado ao Senhor teu Deus. O Senhor teu Deus te escolheu dentre todos os povos da terra, para seres o seu povo preferido. O Senhor se afeiçoou a vós e vos escolheu, não por serdes mais numerosos que os outros povos – na verdade sois o menor de todos – mas, sim, porque o Senhor vos amou e quis cumprir o juramento que fez a vossos pais. Foi por isso que o Senhor vos fez sair com mão poderosa, e vos resgatou da casa da escravidão, das mãos do Faraó, rei do Egito.

Saberás, pois, que o Senhor teu Deus é o único Deus, um Deus fiel, que guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações, para aqueles que o amam e observam seus mandamentos; mas castiga diretamente aquele que o odeia, fazendo-o perecer; e não o deixa esperar: mas dá-lhe imediatamente o castigo merecido. Guarda, pois, os mandamentos, as leis e os decretos que hoje te prescrevo, pondo-os em prática”.

Palavra do Senhor.
Todos: Graças a Deus.

Gradual:


Leitura da Primeira Carta de São João:

Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece Deus. Quem não ama, não chegou a conhecer Deus, pois Deus é amor. Foi assim que o amor de Deus se manifestou entre nós: Deus enviou o seu Filho único ao mundo, para que tenhamos vida por meio dele. Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi ele que nos amou e enviou o seu Filho como vítima de reparação pelos nossos pecados. Caríssimos, se Deus nos amou assim, nós também devemos amar-nos uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amamos uns aos outros, Deus permanece conosco e seu amor é plenamente realizado entre nós.
A prova de que permanecemos com ele, e ele conosco, é que ele nos deu o seu Espírito. E nós vimos, e damos testemunho, que o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo. Todo aquele que proclama que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece com ele, e ele com Deus. E nós conhecemos o amor que Deus tem para conosco, e acreditamos nele. Deus é amor: quem permanece no amor, permanece com Deus, e Deus permanece com ele.

Palavra do Senhor.
Todos: Graças a Deus.

Evangelho


D. Osvaldo: Léctio sancti Evangélii secúndum Matheum.
Todos: Gloria tibi, Domine.

Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.

Verbum Domini.
Todos: Laus tibi, Christi.

Homilia

Majestade,
Queridos irmãos e irmãs de Bauru e São Vicente,

Haurietis aquas in gaudio de fontibus salvatoris. Com alegria tirareis água da fonte do salvador. É com estas palavras que o santo padre o Papa Pio XII quis explicar a devoção ao Sagrado Coração. O Coração de Cristo é esta fonte do salvador onde alegres buscaremos água para saciar a nossa sede, para saciar toda sede existencial do homem. É por isso que Jesus convida: “Vós todos que estas cansados, vinde a mim!” Sim, são pesados os muitos fardos que levamos em nossa vida e de modo especial neste tempo de pandemia. É o fardo da perda ou do medo da perda … de um ente querido ou da nossa própria vida, do trabalho com o qual mantemos a nossa vida … da tranquilidade e da paz que antes tínhamos … o fardo do isolamento social, do distanciamento daqueles que nos são caros … enfim … são muitos os fardos que pesam sobre nós nestes dias … mas uma só é a fonte que é capaz de nos aliviar … o Coração de Cristo.

O Coração de Cristo não se torna somente fonte de alívio, mas também modelo de coração. Nele nós aprendemos a ter um coração mais leve, mais desprendido e menos atribulado. É no modelo do coração de Cristo que encontramos o modelo existencial para o nosso coração. Tantas vezes pedimos: Fazei o nosso coração semelhante ao vosso! Mas podemos nos questionar … o que seria um coração semelhante ao de Cristo? Hoje meditando diante da Imagem do Sagrado Coração, descobri três lições que podemos aprender do Coração de Cristo.

Primeiramente, o Coração de Cristo é um coração ardente. Não é um coração frio, nem tampouco morno, mas é um coração que queima, mesmo saem chamas dele … Não é um coração indiferente, mas é um coração que arde por fazer a vontade do pai e que arde de amor pelos homens. Não encontramos em Cristo um coração vazio, mas um coração cheio de amor, um coração rico em misericórdia. Podemos nos questionar sobre com o que temos enriquecido nossos corações, se é que o temos … ninguém é capaz de dar o que não tem … é necessário preencher nosso coração, mas de boas coisas … De que temos enchido nossos corações?

Segunda lição! No Coração de Cristo encontramos uma coroa de espinhos. O Coração de Cristo é um coração ferido e que se deixa ferir … Ele não criou uma casca dura de proteção … ele se deixa tocar e por isso ele se deixa ferir. A ferida é fruto de um coração que arde … Deixar-se ferir sem revidar é a “vingança de Deus” contra nossa violência. Quanto mais o ferimos, mais ele nos ama. Será que nós nos deixamos ferir, ou rapidamente nos colocamos na defensiva … Para ter um coração como o de Cristo é necessário se deixar ferir, sem revidar. É preciso se desarmar diante do outro …

Terceira lição: o Coração de Cristo está transpassado. Ele não só se deixou ferir, mas se deixou rasgar … Quando algo é rasgado, ele se esvazia. Cristo se esvaziou. É o que ouvimos no canto de Filipenses das vésperas de hoje. “Ele esvaziou-se de si mesmo” Não basta ter um tesouro no coração, mas é necessário se esvaziar deste tesouro. Não basta deixar-se ferir, é necessário ter um coração que foi rasgado, que foi totalmente esvaziado … Este é o coração de Cristo. Ele se entrega totalmente, sem reservas … Um coração como o de Cristo precisa ser desapegado de tudo, totalmente doado.

Jesus manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao vosso!

D. Osvaldo: Credo in unum Deum,
Todos: Patrem omnipoténtem, factórem caeli et terrae, visibílium ómnium et invisibílium.
Et in unum Dóminum Iesum Christum,
Fílium Dei Unigénitum,
et ex Patre natum ante ómnia saecula.
Deum de Deo, lumen de lúmine,
Deum verum de Deo vero,
génitum, non factum, consubstantiálem Patri:
per quem ómnia facta sunt.
Qui propter nos hómines
et propter nostram salútem
descéndit de caelis. Et incarnátus est de Spíritu Sancto ex María Vírgine,
et homo factus est.
Crucifíxus étiam pro nobis sub Póntio Piláto;
passus et sepúltus est,
et resurréxit tértia die, secúndum Scriptúras,
et ascéndit in caelum,
sedet ad déxteram Patris.
Et íterum ventúrus est cum glória,
iudicáre vivos et mórtuos,
cuius regni non erit finis.
Et in Spíritum Sanctum, Dóminum et vivificántem:
qui ex Patre Filióque procédit.
Qui cum Patre et Fílio
simul adorátur et conglorificátur:
qui locútus est per prophétas.
Et unam, sanctam, cathólicam et apostólicam Ecclésiam.
Confíteor unum baptísma in remissiónem peccatórum.
Et exspécto resurrectiónem mortuórum,
et vitam ventúri saeculi.
Amen.


D. Osvaldo: Praeceptis salutáribus monti, et divina institutione formati audemus dicere:

Pater noster,
qui es in caelis:
sanctificétur nomen tuum;
advéniat regnum tuum;
fiat volúntas tua,
sicut in caelo, et in terra.
Panem nostrum cotidiánum da nobis hódie;
et dimítte nobis débita nostra,
sicut et nos dimíttimus debitóribus nostris;
et ne nos indúcas in tentatiónem;
sed líbera nos a malo.


D. Osvaldo: Dóminus nos benedícat, et ab omni malo deféndat, et ad vitam perdúcat ætérnam.
Todos: Amen.

D. Osvaldo: Ite, missa est.
Todos: Deo gratias.

O corpo celebrativo se dirige a sacristia enquanto se entoa o Hino do Coração de Jesus.

Last edit: 5 meses 1 semana atrás by osvaldo (osvaldo).
Os seguintes usuários agradeceram: Leandro Fabrice Mouton (leandro)

Por favor Acessar ou Registrar para participar da conversa.

Tempo para a criação da página:0.318 segundos
Powered by Fórum Kunena